Empreendedorismo Jovem em São Tomé e Príncipe e os Pequenos Negócios

Empreendedorismo Jovem em São Tomé e Príncipe

Ultima actualização em 19-Outubro-2018

O arquipélago insular santomense é uma das antigas colônias Portuguesa que conquistou a sua independência em 1975,  e luta desde então para o seu próprio desenvolvimento e a evolução do empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe que tem sido uma das apostas e uma das armas veemente no combate do desemprego ativo e crônico nas ilhas.

Sendo um pais em que a taxa do desemprego é altíssima, os jovens principalmente tem sido o combustível que tem alimentado essa fogueira que parece não ter fim.

O empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe parece ser uma aposta falhada uma vez que o próprio país depende 90% de financiamento externo, tornando ele mesmo em uma argamassa difícil de controlar sufocando cada vez mais a sua população e impedindo e comprometendo cada vez mais o desenvolvimento embora esse envolva outras questões de caráter mais pedagógica.

A alta taxa de desemprego no país é o efeito de um São Tomé e Príncipe que ao longo de vários anos tem sobrevivido de mãos estendidas para o mundo nomeadamente o seus parceiros internacionais mais próximos, um pais pedinte que optou a muito essa postura ao invés de incentivar outras politicas e caminhos mais promissores e a criação dos seus próprios meios para o desenvolvimento.

Por estas e outras razões São Tomé e Príncipe tem tido dificuldades que séria em dar resposta ao grande problema que é a falta de emprego e de politicas que a incentivam, fazendo durar décadas o ciclo vicioso que até parece estar na moda nesta pequena ilha aonde coabita cerca de 200 mil pessoas.

Situação atual do empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe é um país jovem perante a sua constituição e enquanto nação soberana 60% da população correspondem a faixa etária jovem e têm um índice de dependência de 78,5% em fontes de rendimentos.

O país não tem capacidade de contratação perante uma juventude em número crescente que precisa trabalhar para sustentar-se, e o empreendedorismo que pode ajudar a criar postos de trabalho ainda está em desenvolvimento.

Por causa da falta de financiamento ao empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe fez com que  esse nunca fosse bem sucedido.

Atualmente o empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe está a ser levado a sério e a valer-se a si mesmo quer por iniciativa pública ou privada através de financiamentos, ONGs e instituições criadas para que desenvolva um espírito empreendedor em meio aos santomenses.

Conseguinte as ONGs tem apoiado em micro consultoria, formação, liderança, isto é em conjunto com os empreendedores estudam formalmente o plano de negócios, promovem conhecimentos de gestão, desde ética a marketing, e o debate de problemas e ideias que permite alavancar o negócio e desbloquear obstáculos estruturais dos negócios.

Também têm apoiado a fortalecer os futuros líderes e empreendedores, através do incentivo do espírito crítico e empreendedor “melhores líderes levam a melhores negócios”.

Promoção do empreendedorismo através de financiamento e instituições de incentivo

O financiamento das petrolíferas Kosmos e a British Petroleum.

As petrolíferas Kosmos e a British financiam cerca de 17,4 milhões de euros para o desenvolvimento do empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe num projeto com duração de 4 anos.

O financiamento será gerenciado pela British Petroleum, Kosmos, Agência Nacional de Petróleos (ANP), Câmara de Comércio Indústrias, Agricultura e Serviços, contando também com o apoio dos representantes de algumas organizações internacionais.

Este fundo será distribuído sobe a forma de crédito jovem a um certo número de novos empreendedores em São Tomé e Príncipe.

Segundo o Primeiro Ministro santomense já se encontra selecionados cerca de 100 jovens que irá beneficiar do financiamento nessa primeira fase do projeto de forma a impulcionar o empreendedorismo nas ilhas verdes.

O Fórum dos empreendedores Santomenses vem reforçar a criação e ideias de negócios no país

Em busca do desenvolvimento São Tomé e Príncipe aposta em novos desafios e o empreendedorismo contando assim com novos projetos em diversas áreas e com grande autoridade a nível dos estímulos aos novos empresários.

Há três anos foi criado o fórum dos empreendedores santomenses com vista a consciencializar os novos empreendedores à criação de pequenos negócios.

Este fórum veio despertar no meio dos empreendedores a consciência para a inovação, para as novas realidades e desafios que todos questionamos dia após dia. Além disso, outro objetivo é de fomentar melhores ferramentas para melhor gerir os recursos disponíveis.

Carlos Boa Morte

Carlos Boa Morte é o presidente do referido fórum, e não tem medido os esforços em encorajar os empreendedores a assumirem maiores riscos financeiros e não só de modo que haja mais responsabilidade e progresso no desenvolvimento do empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe.

O presidente do fórum afirma que apesar do reconhecimento do FMI e Banco Mundial acerca do melhoramento de empreendedorismo, a criação do Guiché Único e a  chegada de cabo submarino de fibra ótica são melhoramentos notáveis no processo do desenvolvimento do pais, tanto a nivél da integração e a comunicação como também do próprio programa do desenvolvimento nacional.

StartUp STP favorece ao desenvolvimento do empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe

A StartUP STP é uma incubadora de empresas em São Tomé que vem apoiar o empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe permitindo que os empreendedores tenham acesso a meios que podem ajudar a dinamizar os seus negocios, um local de trabalho e formação continua para que possam desenvolver consecutivamente as ideias e os seus pequenos negócios.

Foi fundada pela ONG Move que acredita no desenvolvimento e no combate a pobreza através do apoio à criação e desenvolvimento de pequenos negócios. A StartUP STP já apoiou desde janeiro até então oito projetos a nível do empreendedorismo.

Também têm em vista, aproximadamente em um ano a possibilidade de criação de 8 novos projetos em São Tomé que consequentemente criará mais de 20 postos de trabalho nas ilhas.

Mais Sobre A ONG MOVE

A ONG MOVE é uma organização não-governamental que ajuda micro-empreendedores a evoluír expandirem os seus negócios de modo que o empreendedorismo seja um contributo ativo para a sociedade santomense.

Fundada desde 2009, a organização tem promovido formações, micro consultoria e microcrédito, apoiando o empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe, pois acredita no capital humano e na força de vontade dos jovens.

Também contando com o apoio de alguns jovens voluntários portuguêses, fazem crescer algumas ideias de negócios em vários países em vias de desenvolvimento como é o caso de São Tomé e principe através de incentivos aos empreendedores e para a erradicação da pobreza Saiba mais

A fábrica de chocolate em São Tomé e Príncipe cria postos de trabalho

São Tomé e Príncipe é reconhecido como um dos melhores produtores quando se fala de chocolate, uma referencia que tem sido mantida viva muito pelo esforço feito pelo Cláudio Corallo na ilha do Príncipe que emprega cerca de 250 santomenses.

O italiano de Florença começou seus experimentos com o cacau da ilha do Príncipe em 1994 e a partir de 2002 começou a fabricar e vender o chocolate de luxo, feito com o cacau nacional e reconhecido internacionalmente pela sua qualidade.

Segundo Cláudio Corallo o que era para ser um laboratório de pesquisa, tornou-se em uma fábrica de chocolate. O empresario buscava produzir um cacau de qualidade visto que os mesmos na ilha eram amargos fruto do defeito de transformação.

Por isso empenhou em conhecer o mercado de cacau, e decidiu plantar e transformar o produto solucionar o defeito amargo na transformação do cacau em São Tomé e Príncipe.

O empresario mais os seus trabalhadores fazem este grande trabalho na ilha do Príncipe através de podamento das árvores de sombra de modo que haja circulação de vento para que as plantas do cacau sejam mais frescas e produzam o melhor cacau, devido a região ser húmida e muito quente.

Considerações finais sobre empreendedorismo jovem em São Tomé e Príncipe

È uma das ferramentas e mecanismo capaz de ajudar no desenvolvimento das ilhas verdes, contudo existe um grande trabalho pela frente no que toca a formação, acompanhamentos, financiamentos, ajuda e integração por parte das grandes empresas e o responsáveis políticos de toda a nação.

Como jovem vejo-me envolvido nesse processo e nunca poderei baixar os braços no que toca ao desenvolvimento do nosso pais, por isso faço um apelo a todos de forma veemente para que congreguemos em prol de uma solução viável e estável a nível econômico para o nosso pais, e que sejamos todos responsáveis no que tocas as mudanças necessárias para o mesmo.

Estudante Universitário na área de Ciências Econômicas Empresariais da Universidade Lusíadas de São Tomé e Príncipe, Otimista e visionário, vê empreendedorismo como a fonte de desenvolvimento, crer que o melhor é inovar.